quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

As 5 Maiores Mentiras do Futebol Brasileiro

  “Conte uma mentira por tempo o suficiente, e ela se tornará uma verdade”, já dizia um dos ministros da campanha nazista de Adolf Hitler. No mundo em que vivemos, há uma série de mentiras que de tanto serem repetidas ganharam um número tão grande de defensores, que contraria-las faz com que o mentiroso ou maluco em potencial seja você.

E isso é agravado pelo fato das pessoas acreditarem cegamente em tudo que vêem na mídia. Se a mídia comprar a mentira, todo mundo acredita. Porque falou no jornal tal, ou viu na revista tal. O que essas pessoas esquecem é que a mídia só mostra o que as pessoas querem... Em tempos de internet, tudo está ainda mais fácil: Agora todo mundo pode ter um site e um blog e se tornar uma “fonte”.

No futebol isso não é diferente. Na verdade, é até pior: A tática de falar o que as pessoas querem ouvir funciona ainda melhor em um assunto que é movido pela paixão. Com isso, ao longo dos anos, algumas histórias se perpetuaram de tal forma, que se tornaram verdades irrefutáveis, incontestáveis e imutáveis. E outras estão em plena evolução, para que daqui 10 ou 20 anos, sejam as novas “verdades” do mundo do futebol. Será?

Não que vá mudar muita coisa, e sob o risco de receber ofensas pessoais e até ameaças de morte por parte de torcedores mais exaltados, o blog se dispôs a separar as 5 maiores mentiras que se tornaram verdade da história do futebol, sem uma ordem específica de importância. Note que algumas dessas mentiras escolhidas são histórias inofensivas que ajudam a enriquecer o esporte como um todo, enquanto uma ou outra tem requintes de maldade e recalque. Sem mais papo furado, já que a postagem ficará MUITO grande mesmo, vamos analisar as falácias...


As 205 mil pessoas presentes no Maracanazzo.

A história: Final da Copa do Mundo de 1950. O Brasil se preparava para ser campeão mundial pela primeira vez, e o melhor, em casa, e o palco seria o Maracanã, construído justamente para esse glorioso momento. Para tanto, mais de 205 mil pessoas, fora os que entraram sem pagar, lotaram o estádio, que ficou completamente silencioso no final dos 90 minutos, com a vitória Uruguaia...

A verdade: No fatídico dia, o Maracanã estava realmente abarrotado, e certamente foi o maior público da história do estádio. Contando com pagantes e não pagantes, o público real do Maracanã naquele dia foram 173 mil pessoas. E isso é um belíssimo público, realmente impressionante e que jamais será superado naquele estádio e muito provavelmente no Brasil. Mas não são 200 mil. Agora, se formos levar em conta todas as pessoas que dizem que estavam naquela final, o público seria ainda maior do que o público que diz ter visto o primeiro treino de Mané no Botafogo. Aliás, o público possivelmente seria maior que a população do Rio de Janeiro na época...

O curioso é que há outro mito que é tido como verdade nessa história, e diz respeito ao silêncio que tomou conta do Maracanã depois do gol uruguaio. Na verdade, os jornais da época dão conta de que a torcida apoiou a seleção até o último minuto... E depois, o som que se ouviu foi de algumas vaias, gritos de patriotismo e muito choro... Nada do silêncio fúnebre que estamos acostumados a ver nas reportagens sobre esse jogo. 

O primeiro treino de Mané Garrincha no Botafogo.

A história: Dizem que certa vez levaram um rapaz maroto, vindo de uma cidade de nome com duplo sentido, usando chuteiras velhas, para fazer um treino no Botafogo, como se o treino fosse uma espécie de teste. O treinador então, com uma dose de maldade, pediu que ninguém menos que Nilton Santos, a enciclopédia do futebol (apelido dele), titular absoluto da seleção brasileira e considerado um dos melhores marcadores do mundo, marcasse o novato. O rapaz no entanto não se intimidou e jogou tanto, que ao final do treino o próprio Nilton foi falar com o presidente do clube, dizendo: “O senhor tem que contratar esse cara agora, porque eu é que não quero jogar contra ele”. E assim, Mané Garrincha foi contratado pelo Botafogo...

A verdade: A história é muito legal, e até ex-jogadores do Botafogo, que supostamente estavam nesse dia, contam. Aliás, todo carioca velho o suficiente para ter credibilidade ao contar a história, jura que estava presente nesse dia. Só uma pessoa diz jamais ter presenciado tal fato: O próprio Nilton Santos.

“Eu era um dos principais jogadores da Seleção Brasileira e do Botafogo, uma referência do futebol mundial, e ele era só mais um dos muitos caipiras que as vezes apareciam por lá e tinham que mostrar serviço. Por qual motivo escolheriam justamente a mim para a simples tarefa de testar um novato?”.

Vale lembrar que, quando vivo, o próprio Garrincha jamais confirmou essa história. E considerado a personalidade dele, se fosse verdade, Mané jamais hesitaria em fazer piadas com o ocorrido...

A Copa de 1998 foi comprada

A história: Em 1998, o Brasil, então tetracampeão, enfrentaria a anfitriã França na final. Mas o contexto já estava decidido: O Brasil jogaria e no máximo empataria. O gol do título da França sairia na prorrogação. Tudo era uma armação envolvendo a CBF, Fifa e a Nike. Em troca, muitos jogadores ganhariam contratos ainda mais milionários com a Nike (como o contrato vitalício de Ronaldo), e a CBF teria garantido o direito de sediar uma Copa do Mundo em pouco tempo... Ronaldo no entanto não aceitou, e se recusou a jogar, e com isso surgiu a história da convulsão. Porém, foi convencido a jogar em cima da hora e entrou em campo. Desanimados com seu destino, os jogadores do Brasil não fizeram esforço e sequer conseguiram empatar o jogo... Essa história supostamente foi revelada por um jornalista da Globo.

A verdade: Essa é moderna, do tempo que as mentiras já eram espalhadas pela internet, em correntes de email. Em primeiro lugar, o tal jornalista renomado da Globo nunca existiu. O nome difere dependendo do email que você receber contando essa história, mas nenhum dos nomes se refere a uma pessoa real. Uma vez esclarecido isso, vamos falar da suposta “compra” em si: Em primeiro lugar, não faz muito sentido que um jogador da Seleção Brasileira, estrelas como Rivaldo, Roberto Carlos, Edmundo e Ronaldo, além de jogadores consagrados, milionários e em fim de carreira, como Taffarel, vendessem uma Copa do Mundo. Por mais que sejam mercenários, associar sua imagem a um título mundial é algo que certamente renderia muito mais dinheiro a longo prazo.

Falando em dinheiro, qual seria o interesse da Nike em ver a principal seleção que ela patrocinava, e o principal jogador (Ronaldo) perderem a Copa para uma seleção patrocinada pela Adidas, e seu garoto propaganda Zidane?


Quanto ao desânimo da seleção: O jogo foi equilibrado. Basta rever para conferir. No primeiro tempo foi igual, mas a França fez dois gols de bola parada. No segundo tempo só deu Brasil, e a França fez o terceiro quando o jogo já estava definido... Não houve desânimo, houve apenas uma seleção melhor que a outra naquela dia. Ronaldo pode ter passado mal por uma infeliz coincidência, afinal, ele é só um ser humano. E quanto as garantias que a CBF recebeu: O Email original dizia que sediaríamos a copa de 2006. Depois mudou para 2010. Até finalmente, 2014. Se não tivéssemos sido escolhidos, o email diria que era para 2026... Aliás, a versão original também não dizia que teríamos a vida facilitada em 2002. Essa parte foi incorporada depois da conquista do Penta...
O resto é choro de perdedor...

O Rei do Futebol

A história: Para 10 entre 10 brasileiros, Pelé é o maior jogador de todos os tempos. E ao que parece, aos nossos olhos, o mundo inteiro concorda conosco, menos, obviamente, os argentinos, simplesmente porque eles são recalcados e jamais terão um jogador do nível de Pelé. Ignorando os hermanos, vá onde você for, Pelé sempre será apontado como o maior. Tanto é que foi eleito o Atleta do Século...

A verdade: Os números de Pelé são incontestáveis (embora ainda hajam loucos que contestem): Mais de 1200 gols, 3 titulos da Copa do Mundo, 2 Libertadores, 2 Mundiais, 6 Taças Brasil, um monte de Paulistas, etc, etc, etc... Mas ele não é o único com números invejáveis.
Pode ser que os argentinos realmente forcem a barra quando comparam Maradona a Pelé (embora boa parte da América do Sul concorde com eles...), porém, existe um argentino que pode sim almejar a coroa do Pelé: Alfredo Di Stefano. O maior jogador da história do Real Madrid, ganhou nada menos do que 5 Uefa Champions League. Seguidas. Sem contar os 8 Campeonatos Espanhóis, a Copa do Rei, o Mundial Interclubes...  Em boa parte da Europa (principalmente na Espanha), ele é considerado o melhor jogador de todos os tempos. Entre outros que já disseram considerar Di Stefano o melhor jogador que o mundo já viu, estão nomes como Eusébio e Bobby Charlton, alguns dos maiores jogadores da história do futebol. Além do próprio Pelé... Para Helenio Herrera, ex-técnico do Barcelona, "se Pelé foi o violinista principal, Di Stéfano foi a orquestra inteira".  


 E em alguns lugares, ídolos locais são mais bem vistos, como na Alemanha, onde o Kaiser Franz Beckembauer está na ponta da língua das pessoas, ou na Itália mesmo, onde Maradona é visto como o maior, entre outros. Na prática, Pelé só é visto como o maior de todos os tempos no Brasil, ou em países onde o futebol praticamente não existe ou não tenha produzido nenhum jogador realmente fora de série. E é mais ou menos isso que define a situação: Em geral, cada país vê o seu maior ídolo como o maior de todos os tempos. E nos países que não tem um maior ídolo, o Pelé costuma reinar, o que talvez vá contra esse item da postagem e prove que ele, realmente, merece o título que tem...

Quanto ao apelido de “Rei do Futebol”, que realmente é universal, fora do país, ele não passa disso: Um apelido, coisa muito comum na Europa. Como exemplo temos Messi, que é “A Pulga”.

Por fim, há o fator saudosismo: Por mais que surjam jogadores melhores que o Pelé, o futebol evoluiu de tal forma que bater suas marcas tornou-se praticamente impossível. E sem os números, fica impossível argumentar que fulano de tal jogou mais que Pelé, já que os homens que viram ambos jogarem, movidos unicamente pelo romantismo e suas memórias de 50 anos atrás, jamais aceitarão que alguém superou o Rei...


A Invasão Corinthiana no Maracanã

A história: Consta que naquela semifinal do Campeonato Brasileiro de 1976, 70 mil Corinthianos fizeram o caminho entre SP e RJ, seja de carro, ônibus ou avião, para ver a partida decisiva contra o Fluminense, dividindo o estádio com a torcida local, naquela que dizem ser a maior caravana da história do futebol brasileiro.
Uma bela prova do amor da torcida Corinthiana pelo seu time, que estava há algumas décadas sem títulos, mas há algumas coisas que não batem...

A verdade: Primeiramente, temos um problema de logística: Vamos imaginar um número alto de ônibus partindo de SP para o RJ levando apenas torcedores. 300 ônibus parece um número razoável. Vamos ainda considerar uma média de 40 pessoas em cada ônibus. 300 x 40 = 12.000. Ainda faltam 58 mil pessoas para fazer o trajeto de carro e de avião...
Outro detalhe é que naquele dia haviam pouco mais de 120 mil torcedores no Maracanã. Se 70 mil fossem alvinegros, eles seriam a maioria. E basta ver (ou ouvir) os gols daquele jogo para saber quem era a esmagadora maioria...
Na verdade, realmente muitos Corinthianos foram ao RJ naquele final de semana. E realmente deve ter sido a maior caravana da história do futebol brasileiro. Mas a torcida do Corinthians ficou totalmente concentrada na geral do Maracanã, onde, na época, cabiam cerca de 30 mil pessoas. E estavam reforçados pela torcida do Flamengo, Botafogo e Vasco, desesperadas ao ver o Fluminense com um time incrível, como o da época. Havia inclusive bandeiras desses times no meio da torcida do Corinthians. Sendo assim, o número real de Corinthianos que estavam no Maracanã, provavelmente, deve girar na casa dos 25 mil. O que é um número incrível e histórico. Mas que desde então começou a crescer e ainda não parou. Certamente, quando nossos netos ouvirem essa história, ela dirá que a torcida do Corinthians encheu o Maracanã inteiro, sozinha...

12 comentários:

  1. Excelente post.Nossa,muito bom mesmo adorei.Parabéns !

    http://digaofutebol.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Faltou a mentira de dizer que o Flamengo é campeão brasileiro de 1987.

    ResponderExcluir
  3. O flamengo é campeão de 87 isso é incontestável só pessoas que não conhecem a história retrucam. Jogadores que atuam na Europa tem mais visibilidade que os que atuam fora, por isso o melhor do mundo sempre sai de la, se o Neymar ganhar tudo no ano, fazer uns 100 gols, jogar tudo que ele pode e inventar mais um pouco e o Messi não jogar nada o melhor do mundo vai ser o Cristiano Ronaldo, o Rooney, etc.... Pra eles lá se joga futebol, aqui é só onde eles compram os jogadores.

    ResponderExcluir
  4. Faltou a mentira de que o Flamengo é campeão de 1987 e de que o Curintia é campeão Mundial.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom post. 70 mil certamente é um exagero, mas o maracanã tinha muito mais do que 25 mil corintianos. Naquele dia eles colocaram mais de 40 pessoas por ônibus, que é um número modesto pra hoje em dia. Além de muitos terem ido de carro também (se eram 40 pessoas pessoas por ônibus, 8 ou 10 carros, que não é muito pra dutra, já equivaleriam a um ônibus). Sobre a questão da geral, a torcida do fluminense era maior, mas tanto tinha mais que 30 mil corintianos que ampliaram o espaço incialmente destinado a ela. 70 mil de sp pro rio é muito, mas 25 lá dentro é pouco

    ResponderExcluir
  6. sensacional, concordo com tudo o que esta ai, essa do pele concordo em genero numero e grau

    ResponderExcluir
  7. Excelente post! Só uma ressalva quanto ao começo do texto, pois a frase de que uma mentira repetida muitas vezes tona-se verdade é de Joseph Goebbels, ministro da propaganda do Terceiro Reich, segundo em importância no partido, só depois de Hitler

    ResponderExcluir
  8. Anônimo, obrigado pela dica! Já foi corrigido.

    ResponderExcluir
  9. "VAMOS POR PARTES!"

    Primeiro o MARACANÃ original, antes da primeira mudança estrutural, comportava confortavelmente 170 mil pessoas lotadas em: 110 mil nas arquibancadas, 30 mil nas cadeiras e 30 mil na geral. Comportava ainda uma superlotação nas arquibancadas de 137.500 e 37.500 na geral, totalizando 205 mil pessoas amotinadas, mas esse numero nunca foi atingido. O maior publico do Maracanã foi Brasil x Uruguai, final da Copa de 1950, com 199.854, sendo sendo pouco mais de 170 mil pagantes. Naquela época as mulheres entravam sem pagar desde que estivessem acompanhadas. Portanto as lendas tem raises veridicas.

    Quanto a Invasão Corinthiana, se voce assitiu o VT do jogo, constatou que a torcida do Corinthians dividia as arquibancadas com a torcida do Fluminense e ocupava quase todas as cadeiras, restando ao Fluminense a geral inteira e um pedacinho das cadeiras. Todos que foram assitir aquela partida como quem foi trabalhar nela atestam a presença grandiosa dos corinthianos no Maracanã. O próprio Francisco Horta admite o tamanho da presença corinthiana no Maracanã. Como você pode afirmar o contrario contra um monte de declaração, sem ter estado lá?

    ResponderExcluir
  10. 70.000 Kúrintianos no Maracanã é a maior mentira dos últimos 10.000 anos!!!

    ResponderExcluir
  11. Faltou a mentira do franingu
    ter a maior torcida

    ResponderExcluir
  12. Então vc ta certo e a história contada até por ATLETAS do Fluminense errada ... inveja mais que ta pouco ... invasão com mais de 70 mil corintianos sim ...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails