segunda-feira, 4 de abril de 2011

Death Note: Ele escreve o seu destino


  E se para matar uma pessoa, tudo o que você precisasse saber fosse saber o nome e lembrar-se do rosto dela? Sem estar presente ao local. Sem deixar pistas. Apenas causar uma morte (“natural” ou da forma que você desejasse), com o simples ato de escrever o nome da pessoa numa folha de papel.

  Muita gente frequentemente deseja poder fazer algo assim ao ver uma injustiça. Mas se você pudesse mesmo, quem controlaria quem? Você controlaria o poder, ou ele te consumiria? Esse poder foi dado a Light Yagami e mudou a sua vida para sempre. A partir daí, ele virou Deus para alguns. Virou o Demônio para outros. Como assim? É o que veremos agora, ao falarmos sobre Death Note, uma animação nipônica que, regada com doses cavalares de drama, mistério e inversão de valores, definitivamente não pode ser definido como um desenho comum...


   O Deus da Morte

  Light (que os japoneses pronunciam “Raito”) era um jovem estudante aparentemente comum. Ou quase. Extremamente inteligente, boa pinta, educado... O pai dele tinha um alto cargo na polícia. Em síntese, um rapaz acima de quaisquer suspeita. E ele realmente levava uma vida comum e pacata. Até encontrar o Death Note...

  O Death Note é, como o nome já diz, uma espécie de “Caderno da Morte”. Pertencente a um Deus da Morte (Shinigami), tem o poder de matar qualquer um que tenha seu nome escrito nele. Se apenas o nome for escrito, a pessoa morre de parada cardíaca. Se forem acrescentados detalhes da morte, como a causa, dia e horário, por exemplo, o roteiro se reproduz fielmente. Light encontra esse caderno jogado, por acaso. Não demora muito para, após alguns incidentes, começar a desconfiar das habilidades do seu novo brinquedinho. E quando Ryuuk, o Shinigami responsável pelo Death Note que Light encontrou, se apresenta e explica o que está acontecendo, o jovem decide usar o caderno para eliminar todas as pessoas que praticarem o mal, e se tornar uma espécie de Deus do novo mundo... E obviamente que essa não é uma idéia tão boa assim...

  Ética x Justiça

  Light passou então a usar o poder do caderno contra criminosos que ele via nos noticiários. Não demorou muito tempo para as pessoas notarem uma relação entre as mortes: Todo criminoso que aparecia no jornal morria de ataque cardíaco. Não podia ser coincidência. Começaram os boatos de que alguém estava por trás daquilo. Light recebeu o apelido de Kira (que é a pronuncia japonesa para “Killer,”, ou assassino em inglês). Light assume o apelido e começa a deixar mensagens subliminares nas mortes.

  No entanto, matar bandidos ainda é matar. E matar é crime. Com as seguidas coincidências, a polícia começa a investigar as mortes, afim de encontrar o culpado. Com as mensagens deixadas por Kira, não restam dúvidas de que alguém está por trás disso. As perguntas que sobram são: Quem? Como? Onde?

  É então que entra em cena o super detetive conhecido apenas como “L”, a mente mais genial da força policial japonesa, talvez, do mundo (apesar dos seus modos e personalidade um tanto quanto incomuns). Ele recebe a missão de encontrar e dar um fim em Kira. Este, por sua vez, decide que L é uma pedra no seu sapato, e decide extermina-lo também. Nenhum dos dois sabe onde está o inimigo, o nome dele ou mesmo como ele se parece. Quem for descoberto primeiro, morre.

  Rock até no visual

  No que diz respeito aos aspectos técnicos, Death Note beira o impressionante. O desenho, as cores e o design dos personagens fazem você sentir como se estivesse vendo a personificação da maneira como um cantor de Heavy Metal vê o mundo. Tudo é meio sombrio, o traço passa um mundo de certa forma agressivo, porém, tudo muito bonito e detalhado. Os personagens são carismáticos e marcantes. Destaque para os Shinigamis: Esses realmente lembram, e muito, mascotes de bandas de Metal, como por exemplo, Metallica. Aliás, não se engane pela aparência até mesmo assustadora desses deuses da morte: Eles tem personalidades marcantes e são responsáveis por boa parte dos (não muito freqüentes) momentos de humor da trama.

  O som segue o mesmo estilo, com rock-and-roll japonês (o chamado “J-Rock) que combinam perfeitamente com o estilo visual da série. As músicas de fundo são instrumentais, e ajudam a causar um clima de total imersão. Não roubam à cena, mas casam-se perfeitamente com as cenas. Como deve ser.

  Personagens e jogos

  A série se concentra nesse jogo de gato e rato envolvendo Kira e L na maior parte do tempo. É realmente incrível como isso é explorado: Ambos os personagens são gênios, e as artimanhas de ambos para se descobrirem, sem serem descobertos, é o grande ponto alto da série. É um duelo de mentes empolgante que certamente te fará pensar “nossa!” conforme as ações dos protagonistas vão se revelando.. Ambos os personagens estão diretamente ligados desde o começo, pelo fato do pai de Light ser um dos ajudantes de L nas investigações. Essa proximidade acaba se tornando uma aliada, mas também uma inimiga, para ambos ao longo da série.

  Falando na progressão da série, com o tempo, outros personagens são introduzidos. Eles vão desde outros possuidores de Death Notes até outros gênios policiais com potencial parecido com o de L (e maneiras igualmente excêntricas), entre outras pessoas, e todos acabam ficando de um lado ou de outro. Enquanto alguns desses personagens são marcantes e ótimas adições, outros no entanto parecem ter como função simplesmente esticar a série.

  Imperdível

  Death Note é uma série diferenciada, e certamente foi concebida sob genialidade ímpar. A maneira como a história se conduz e a própria premissa levantam várias dúvidas na pessoa que está assistindo (ou lendo, no caso da história em quadrinhos no qual o anime se inspirou). Dúvidas envolvendo questões morais, ética e que colocarão a prova o seu próprio julgamento de valores. Light está certo em usar esses meios para conseguir aquilo que ele julga ser o mundo ideal?  Será que realmente as pessoas malvadas merecem ser simplesmente eliminadas da face da terra? Vingança é sempre o melhor caminho? Um ser humano é capaz de lidar com o poder destinado aos Deuses sem que isso afete o seu psicológico? Até que ponto grandes poderes fazem as pessoas mudarem? Essas e outras perguntas são jogadas no ar ao longo da série.
 
  Death Note é uma dessas séries que te deixam não apenas ansioso, como também, muito curioso para ver o que irá acontecer no próximo episódio. E é dessas séries onde tentar adivinhar isso é como dar um tiro no escuro. Surpreendente, único e extremamente viciante, Death Note é uma obra prima imperdível, atualmente no canal pago Animax., além dos já famosos sites de downloads de animes. Além da série de TV, existe também um mangá e até um filme com atores de verdade que serve como uma espécie de "resumão" da série. Ah, e se você ficou com vontade de experimentar o gostinho de usar o Death Note, existe um site que funciona como uma espécie de Death Note online, onde você pode escrever o nome daquela pessoa que você não suporta mais. Dizem que não funciona... Mas por via das dúvidas, não escrevam o meu nome lá...

Um comentário:

  1. Death note é concerteza o melhor anime existente...poderia ter continuação dos capítulos

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails