terça-feira, 11 de maio de 2010

E se Murphy usasse chuteiras?

  As leis de Murphy. Você sabe sobre elas, certo? Bem, é aquela regra da natureza que garante, mais ou menos, que nada é tão ruim que não possa piorar. As leis de Murphy estão por toda parte, o tempo todo. São absolutas. As leis da física abrem excessões para que a lei de Murphy funcione.

   No futebol não é diferente. Quando a coisa parece que não tem mais pra onde piorar... Ela simplesmente encontra um jeito.

  E como existem pessoas mais suscetíveis as leis de Murphy do que outras, não é surpresa que existam também times que foram abençoados com esse dom de mostrar ao mundo que não, ainda não é o fundo do poço.

  Vejamos então alguns exemplos de times com histórias inusitadas, que ilustram bem o que é a lei de Murphy. Em tempo: Uma postagem exclusiva sobre essas leis, sem envolver futebol, está em pauta, logo mais deve pintar por aqui...




  6- A maldição de Medellín

  Em 1955, conselheiros do Independiente de Medellín, da Colômbia, tomavam uma decisão que marcaria a história do clube: Profissionaliza-lo. O então presidente, descontente com a ideia, porém, voto vencido na reunião que marcou a tomada dessa decisão, lançou uma maldição:
“Podem ir em frente e profissionalizar o Medellín, mas saibam que se fizerem isso, nunca mais ganharão nenhum campeonato!”
  Praga de urubu pega? Não sei, mas praga de presidente de clube deve pegar. 45 anos se passaram, e o Medellín não tinha ganho absolutamente nada, embora fosse um dos times colombianos que mais batesse na trave, sendo o time que mais vezes foi vice campeão nacional...
  Foi então que chamaram o mesmo bocudo de 45 anos atrás, que assinou um documento oficial retirando a maldição.
  O resultado? Independiente de Medellín, não só campeão daquele ano, como também tornou-se o maior bicho papão de campeonatos nacionais na Colômbia desde então...

5- Rivais Porteños

  O torcedor Corinthiano que não gosta das brincadeiras feitas pelos rivais, não faz ideia do aperto que passa um torcedor do Cerro Porteño, do Paraguai.
  O time é o quarto com mais participações na Libertadores, e o que mais revelou jogadores para a seleção Paraguaia. Tem ainda 28 títulos nacionais. Mas tudo isso não vale de nada, quando os torcedores do rival Olímpia lembram-se de um “detalhe”: O clube nunca chegou a uma final de Libertadores da América.
  E a única coisa pior que não ter um título como esse, é o seu rival ser um dos maiores campeões:  O Olímpia não só chegou a 5 finais, como foi campeão em 3 dessas oportunidades. Considerando que a grande rivalidade entre os torcedores do país se resume aos dois times, da para imaginar as piadas...
  Pense em tudo que você ouviu sobre o Corinthians esse ano, elevado a 10° potência. É mais ou menos assim...


 4- Os diabos de Cali

  Se o América de Cali tivesse aproveitado todas as suas chances, certamente seria um dos times mais temidos do continente, talvez no mesmo patamar do Boca Juniors e do Peñarol. Isso por que o time disputou nada menos que 4 finais de Libertadores em toda a sua história. Um número impressionante, especialmente para uma equipe da Colômbia. Porém, impressionante mesmo, é o aproveitamento do América, que conseguiu ser derrotado em todas essas oportunidades.
  Sendo que dessas quatro, foram tres seguidas. Sim, tres derrotas na final da Libertadores seguidas!!!
  E todas de maneiras bem infelizes. Erro do juiz... Jogador perdendo penalti decisivo... Gol no ultimo minuto... Craque do time se machucando na véspera do jogo... E outra infinidade de motivos. Aliás, derrotas assim são marcas registradas do América. Quando tudo parece ir bem demais, é um bom motivo para se desconfiar, dizem os torcedores...
  Um bom exemplo vem das palavras de um famoso comentarista colombiano na final da Libertadores de 1987, que o América perdeu para o Peñarol. Depois de uma vitória de cada, os dois times jogavam o jogo decisivo em campo neutro. Pela campanha, o América só precisava empatar para ficar com o caneco. Tudo ia bem até os 48 do segundo tempo, quando o Penãrol fez o gol do título. Com voz embargada de choro, o comentarista resumiu-se a dizer:
  “É... Tem coisas que só acontecem com o América...”
  Coincidência ou não, o mascote do clube é um diabo...


 3-  Ora pois!!!


  O que dizer de um time que teria tudo para ser grande, se não tivesse nascido numa terra já dominada por 3 gigantes? Um time que revelou inúmeros bons jogadores, que pouca gente sabe que foram revelados lá? Um time que perdeu uma decisão por penaltis contra o melhor time do mundo por que o juiz perdeu a conta? Um time que tem um trator enterrado embaixo do seu estádio?
  Bem vindos ao mundo do torcedor da Portuguesa de Desportos...

2-  Justo agora, Argentina?

  O Racing, um dos chamados 5 grandes da Argentina, passou por muitos anos difíceis. Foi a falência, teve que virar uma empresa,  foi rebaixado, ficou décadas de jejum e de quebra viu seus rivais abocanharem dezenas de títulos.
  Quando finalmente conseguiu ser campeão depois de 35 anos na fila, a Argentina entrou na maior crise de sua história e praticamente ninguém estava interessado em futebol, fazendo o feito passar quase que completamente despercebido...

 1- As tragédias de Turim

  É impossível fazer uma lista falando sobre futebol e azar, e não colocar o Torino no topo. Certamente, se a lei de Murphy não existisse, o time italiano seria um dos maiores, senão o maior time do planeta. No mínimo, seria tão grande quanto sua rival, a Juventus.
  Nos anos 40, montaram um time incrível, o melhor time do mundo, que venceu quatro campeonatos seguidos de forma arrasadora e se tornou a base da seleção italiana. Tudo estava muito bem até que em 1949 o avião que levava a equipe caiu. Todos os jogadores morreram, assim como a comissão técnica.
  O Torino não conseguiu montar um grande time por muito tempo, até que na década de 60 surgiu o craque Gigi Meroni. Jogador de talento raro, desses que fazem até os cabeças de bagre do próprio time parecerem grandes jogadores, e os craques do adversário parecerem jogadores comuns, Meroni tinha tudo para levar o Torino a uma nova era de glórias... Se não tivesse morrido atropelado aos 24 anos. Detalhe: O motorista era torcedor fanático do Torino...
  Como um bônus, o grande rival do Torino, a Juventus de Turim, aproveitou-se desses momentos de crise para conquistar a hegemonia local, e tornar-se um dos maiores times da Itália e do mundo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails