segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Você é ruim. Muito ruim.

Uma das caracteristicas do ser humano é saber o quanto ele é ruim naquilo que faz. Outra, é negar-se a acreditar nesse fato.
Entretanto, mais dia, menos dia, você acorda assim: Feio. Burro. Chato. Descoordenado. Você acorda um lixo.
Você não piorou de ontem pra hoje. Você não está mais ou menos feio que já é, tampouco desaprendeu a fazer o que costuma fazer (bem, na sua concepção).
Você está apenas num dia ruim, ou, a bem da verdade, só está num dia em que seus defeitos estão dando o ar da graça.

Hoje estou num dia desses. Meu texto está pouco criativo. Não por que eu esteja num dia pouco inspirado, a verdade é que meu leque de assuntos é limitado. Coloquei na cabeça que não vou escrever sobre esporte, games, animais carros ou coisas do genêro. E o que me restou? Um imenso vazio. Alias, um espaço vazio na tela, sem uma palavra para preencher.

Além da sua propria percepção, há outros sinais da sua ruindade, mediocridade, incapacidade. O fato de ninguém ler esse blog talvez deixe claro que eu não sou o escritor que eu penso que sou.

O problema costuma ser o impacto que a conciencia de suas limitações cria em você. Há os que desanimam, desistem. Há os que buscam entender a razão de sua limitação, e trabalhar para diminui-la.

A diferença entre os blogs com centenas de seguidores e aqueles que só o proprio criador lê, é a mesma desses dois tipos de pessoas citados.

Um comentário:

  1. Thales, acredito que ninguém que te conheça ache teus textos um lixo, por isso acredito que a falta de acessos no teu blog se dá pela divulgação dele, pois somente hoje fui saber da existência dele, e tive de procurar para achá-lo sem querer no tópico de divulgação de comunidades da NDSBR.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails