terça-feira, 19 de outubro de 2010

Como reconhecer um homem cafageste?


  Se você é mulher, muito provavelmente a frase “homem não presta” já saiu de sua boca. Provavelmente, essa frase foi dita hoje. E ontem. E anteontem. E... Bem, todo dia. Mulheres tem essa mania de achar que, ou elas não tem sorte alguma com homens, ou realmente todos são uns safados. O que não é verdade. Tudo que você, minha amiga, precisa, é aprender a escolher o tipo de homem certo  (eu?). 

  E, como prova de que sou um cara legal, estou aqui para trair o código de conduta de um homem e ensinar-lhes um segredos que nós guardamos de vocês. Basicamente, vou lhe dizer como saber se aquele sujeito que você se interessou vai, ou não, te dar dor de cabeça (ou chifres mesmo) mais tarde. Vejamos os principais sintomas:



“Eu sou fulano, o dono do Porsche ali fora!”

Esse é um dos sinais mais típicos, claros, óbvios e conhecidos: O sujeito que coloca o que ele tem, a frente do que ele é. Tudo bem, é ótimo que você tenha conseguido o interesse do cara que tem uma cobertura em Copacabana, um carro importado para cada dia da semana e usa um Rolex mais caro do que a sua casa inteira, isso por si só é uma coisa ótima. O problema é quando o cidadão só sabe falar de seus pertences, do que ele tem, como se isso fosse uma espécie de garantia de que as mulheres vão gostar dele (e em alguns casos, realmente é). Com esses ai, todo o cuidado é pouco: Príncipes Encantados não estão extintos, mas são muito raros.


“Eu já fiquei com ela...”

Muito mais raro do que um sujeito que conte o salário dele com o mesmo orgulho que diz o seu nome e que seja realmente confiável, é o sujeito que não conte vantagem sobre os relacionamentos que tem. Praticamente todo homem comenta com seus amigos sobre suas ficadas, seus rolos e coisa do tipo. E isso é totalmente normal, já que vocês, mulheres, fazem a mesma coisa quando estão a sós. O problema mora na tênue linha que divide o que é normal, do que não é: O cara que conta para todo mundo, tendo ele intimidade com a pessoa ou não, e pior, o cara que conta todos os detalhes do que aconteceu na noite até para a mãe dele é tudo, menos, confiável.


“Desculpa meu amor, o celular estava sem bateria!”

Ele tem que viajar no final de semana. Tem que trabalhar até tarde na sexta-feira. Ficou sem internet por uma semana inteira. E todo esse tipo de coisas. Não seja injusta: Por mais que pareça improvável que ele tenha um compromisso com o time de futebol da faculdade, do qual dependa sua permanência no curso, as 22:00 de um domingo, pode ser verdade (acredite, eu já fui testemunha de casos assim), porém, confiança é algo a ser conquistado com o tempo. Logo, desconfiar, desde que com moderação, se não fizer bem, também não fará mal: O celular sem bateria pode ser o chip secreto que ele usa para te telefonar sem que a namorada descubra (sim, a outra, nesse caso, é você!).


“Chega de falar de mim. Vamos falar sobre você: O que você acha do meu sorriso?”

Muito parecido com o primeiro exemplo, mas aqui, o Don Juan não usa o som do seu carro para todos os efeitos: Ele usa a sua aparência física para isso. O convívio com esse indivíduo pode ser ainda mais difícil que com o primeiro, já que o motivo de seu ego inflado é o que ele mesmo vê no espelho. Você não quer se casar com um sujeito arrogante e totalmente cheio de si, ou quer? Presumindo que não, é bom tomar cuidado. O que diminui a incidência desse grupo em relação ao primeiro, é que nenhum homem fica rico sem perceber, mas muitos são mais atraentes do que a média mas são tão desligados que nem se dão conta, o que faz com que as chances de vocês acharem um sujeito bonitinho e modesto é maior do que a de vocês acharem um sujeito riquinho e modesto.


“Não podemos sair no domingo, eu não posso perder a final do campeonato!”

Fanatismo. Existe coisa mais chata do que um fanático? É, eu sei que não. E o que existe de mais comum por ai é homem fanático, seja qual for o motivo. Pode ser um torcedor fanático, um religioso fanático, político fanático, um jogador de videogame fanático, um cachaceiro fanático, não importa: Nesses casos você tem apenas 3 opções:
A – Tenta se opor ao fanatismo dele, numa queda de braço que você inevitavelmente perderá.
B – Se junta a ele no fanatismo, se tornando tão chata quanto.
C – Desiste.

“O que foi que você disse seu filho de uma #@$¨&!!!”

É o tipo valentão. O tipo que vai brigar com tudo e todos por todo e qualquer motivo. Embora na teoria possa parecer tentador ter um namorado que esteja disposto a matar e morrer para te proteger, na prática isso pode ser um problema e tanto. De maneira simples, digamos que essa personalidade se aplica a tudo, e pode muito bem voltar-se contra você a qualquer momento. Se quiser arriscar, vá em frente, mas depois não reclame quando virar comida de cachorro em algum sítio por ai...


“Ô lugar pra ter gente feia!”

Por fim, vamos falar de homens que tem a mente fechada. Sim, esses que pensam que ainda vivem no século XIX, e falam e agem como se lá estivessem. Ele diz em voz alta que no trem só tem gente feia, é machista, diz que você tem que aprender a cozinhar melhor para quando se casarem e tem ciumes até quando te vê assinando algum documento, desconfiando que você está é passando o telefone para o atendente. Cuidado com esse tipo. Se ele for uma combinação deste com o exemplo acima, e no momento que você estiver lendo isso vocês já estiverem mantendo algum tipo de relacionamento, só tenho uma coisa a dizer: Foi bom te conhecer!

2 comentários:

  1. Ja lidei com situações do tipo: “Não podemos sair no domingo, eu não posso perder a final do campeonato!” ...

    ResponderExcluir
  2. ahuahauhuhauh

    cara dahora esse post

    voce entregou todos nossos truques

    ahuauhauhauh

    zuera

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails