sábado, 18 de junho de 2011

Por que a evolução as vezes parece sem lógica?


  O que é evolução? A pergunta parece óbvia, mas dependendo do ponto de vista, a resposta pode variar um pouco. Um amante xiita da língua portuguesa responderia algo do tipo “crescimento, desenvolvimento”. Um amante de carnaval diria “avançar”. Um amante de Pokémons diria “depende do level”. E um amante de biologia? Um pouco mais complexo.

Afinal de contas, a palavra “evoluir” deixa implícito que a forma seguinte deverá ser mais complexa que a anterior. E muita gente leva isso ao pé da letra. Porém, a evolução, quando falamos de seres vivos, não segue essa regra. Ela não é necessariamente um caminho unilateral em busca do mais complexo. Ela não tem direção. Permanecem as mudanças que dêem ao seu dono alguma vantagem na difícil tarefa de sobreviver...
Mas como, afinal, ser menor, mais fraco ou “mais simples” que os outros pode ter alguma vantagem? Como pode uma espécie ter problemas e perder espaço por ter se tornado “poderosa” demais? As respostas são mais simples do que parece...


Quando a barriga ronca...

Responda de bate e pronto: Teria uma galinha alguma vantagem contra um Tiranossauro Rex? Bem, se você colocasse ambos em um ringue, provavelmente a única coisa que a galinha conseguiria é gritar mais alto (a menos que a teoria que indica que os T-Rex's não tinham cordas vocais esteja errada).
Galinhas correndo para atacar um T-Rex
Mas coloque-os para sobreviver na natureza, em uma época de vacas magras, em que plantas e animais estão morrendo de fome, frio e sede. Ai a coisa muda: Enquanto o Tiranossauro precisaria dar um jeito de encontrar toneladas de carne para sobreviver, a galinha precisaria apenas de alguns grãos de qualquer coisa durante o dia, em quantidades bem menores. Para piorar, ainda que incapazes de voar, as penas das galinhas eram uma bela vantagem em uma época de esfriamento global.

Não eram exatamente galinhas, mas foi mais ou menos isso que deu as primeiras aves uma vantagem na época que os dinossauros foram extintos. Exemplos assim se dão ao longo de toda a existência da vida: Quanto menos comida você tiver disponível, menor você precisa ser se não quiser passar fome...

Tragam o oxigênio!

Mas nem sempre é uma questão de falta de comida. A vantagem de ter um corpinho mais esbelto pode aparecer em muitas outras situações. A mais óbvia é justamente falta de espaço, mas outra bem interessante é o fato de que, quando você é muito grande, você pode correr, mas não pode se esconder. Acompanhe meu raciocínio: Se um cavalo invadir seu quintal, ele pode te dar trabalho, mas cedo ou tarde você vai dar um jeito de tirar ele de lá. Se um rato invadir seu quintal, pode levar semanas para tira-lo de lá, uma vez que ele pode se esconder em lugares onde você nunca vai pegá-lo... Se você fosse um predador forte o bastante para matar ambas as espécies e tivesse que escolher entre comer ratos ou cavalos, não teria muitas dúvidas: O cavalo pode até ser mais difícil de derrubar, mas é mais fácil de achar e tem muito mais carne...

Mas pode haver outras vantagens, dependendo da época. Vamos falar um pouco sobre insetos:
Insetos pré-históricos eram grandes. Muito grandes. Definitivamente grandes. Não estou falando de alguns poucos quilos não, estou falando de insetos que lanchariam um São Bernardo se tivessem a chance.
No passado era assim... (brincadeira)

Entretanto, o tempo passou e hoje em dia qualquer criança consegue dar uma chinelada e matar um inseto desavisado que cruzar o seu caminho. Qual foi a vantagem, então, de deixar de ser grande e assustador para ser bem pequeno e gosmento? Além das já citadas, pode-se atribuir isso ao oxigênio.

Sim. O ar não é exatamente o mesmo hoje em dia que no passado, e isso não se deve só a poluição emitida pelo ser humano: Tem muito menos oxigênio nele. E quanto maior você é, de mais oxigênio você precisa. Por isso os dinossauros podiam crescer tanto... Um dinossauro que andasse por Manaus hoje em dia se sentiria mais ou menos como você se sentiria andando em alguma cidade situada a 3 mil metros de altitude: Totalmente sufocado.

Animais se adaptaram, cada um a sua maneira, para essa nova disponibilidade de O². Alguns sofreram alterações em seu sistema respiratório ou em outras variáveis fisiológicas, como por exemplo, a capacidade de produzir mais glóbulos vermelhos no sangue para aproveitar melhor o O² que eles inalavam. E outros seguiram pelo caminho mais simples: Encolheram. Esse foi o caso dos insetos. E falando em encolher...

Subiiiiiiindo...

Por que as árvores crescem tanto? Porque, embora não pareça, árvores vivem uma competição louca, desenfreada e cruel. Afinal de contas, se para nós uma tarde de verão sob a sombra de uma árvore é algo prazeroso, para uma árvore estar a sombra de outra não é nada bom: Elas dependem da luz do sol para viver! E fica difícil viver com qualidade quando a vizinha está tampando todo o seu solzinho.
A solução então é crescer mais do que a árvore do lado, para pegar os raios de sol antes dela. Isso, com o tempo, acabou forçando as espécies de árvores a crescer mais e mais, criando florestas com coberturas realmente muito altas. Enquanto isso, no solo, as plantas tiveram que dar o seu jeito, a maioria mantendo-se pequenas para viver com a pouca luz solar que chega.

Então, se crescer, para um árvore, quer dizer passar a perna nas vizinhas, porque nenhuma espécie evoluiu para crescer eternamente enquanto estivesse viva, mais ou menos como no conto do João e o Pé de Feijão? Por que mesmo as sequóias, espécie detentora do recorde de ser vivo mais alto do mundo, tem um limite de crescimento?

Simples: Porque tudo na vida tem um custo. Novamente, façamos uma analogia: De que adianta você ter um Porsche, se o seu dinheiro só te permite andar com um carro popular? Na natureza é a mesma coisa.

Para crescer, por exemplo, é preciso conseguir nutrientes para gerar e manter aquela estrutura, e isso obviamente vai aumentar o gasto energético. Logo, é preciso colocar na balança: Se a árvore cresce mais, vai conseguir mais energia proveniente do sol. Porém, vai gastar mais energia por ter crescido mais. O que vale mais a pena? Até determinado ponto, a balança vai pesar para crescer mais e conseguir mais energia. Porém, em certo momento, a energia e recursos despendidos para crescer mais vaio ser tão elevados, que não vai valer a pena por um pouquinho a mais de sol.

Não é apenas para árvores que isso se aplica, mas para todos os animais, plantas e seres vivos. Funciona como qualquer sistema econômico: Para colocar em um lugar, você vai precisar tirar de outro. E por mais que pareça vantajoso a primeira vista, a longo prazo, pode não ser...

Até que ponto vale a pena ter uma mordida mais forte? Correr mais rápido? Voar mais alto? Ser maior ou menor? Ninguém sabe. Só quem sabe, é quem sobrevive. A sobrevivência dita as regas Ela define se mudar para mais ou para menos vai valer a pena, ou ainda, se o melhor é continuar como está (e muitos seres vivos continuam como estão já faz muito tempo...). E assim segue a evolução: Sem direção. Rumo ao que lhe deixar sobreviver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails