domingo, 1 de agosto de 2010

Bem vindos a conspiração!

  Hey, você ai. Sim, você. Por acaso, as vezes você fica com a estranha sensação de que todos estão olhando para você? De que tudo que aconteceu por acaso, não foi tão “por acaso” assim? Você é daqueles que acham que a TV manipula a mente das pessoas? E que por trás de tudo isso (seja lá o que “isso” for, na sua mente), existe uma grande conspiração? Você é meio isolado do mundo, tem poucos amigos e vive dentro de casa?

Então você é parecido com Tatsuhiro Sato, o personagem principal da animação “Welcome to the NHK” (“Bem vindo à NHK”).

“Ah não, vai falar de desenho no blog? Era só o que faltava!”. Você deve estar pensando. Mas dê uma chance a esse, e continue lendo. Garanto que não é um desenho comum. Já viu algum desenho abordar temas como pedofilia, vicio em jogos, depressão, suicídio coletivo, e outras coisas tão pesadas quanto? Pois é. Venha conhecer um Japão que eles não mostram na TV: O Japão que não deu certo.



A conspiração

A história gira em torno de Sato, um rapaz, digamos, no mínimo paranóico. Sato, basicamente, acha que tudo que acontece de negativo em sua vida, é culpa de um grupo conspiratório, intitulado NHK. Ele é um cara que não sai de dentro de casa nunca, foge do convívio das pessoas como o Drácula foge da cruz. Desistiu da faculdade, e vive sozinho num apartamento, se sustentando com a mesada dos pais, que ainda acreditam que ele ainda está estudando.

O cara sofre de alucinações constantes, incluindo uma repetitiva e insuportável música, que parece sair das paredes. Aliás, para ele, tudo parece ter vida e provocá-lo, incluindo os eletrodomésticos.

Essa realidade de Sato, que parece bizarra, não é muito diferente da realidade de milhares de pessoas no Japão, sendo considerado um problema crônico. Existe até um nome para eles: Hikikomori.

A vida fracassada de Sato, no entanto, ganha uma mudança radical a partir do momento em que surge Misaki, uma jovem muito bonita, que se diz disposta a ajudá-lo a mudar de vida. Esperta, a garota consegue convencer Sato a assinar um contrato, que prevê uma multa altíssima caso Sato se recuse a aceitar a ajuda da moça. E assim a história começa de fato...
Mas afinal, quem é essa menina, e por que ela quer tanto ajudar Sato? Será ela parte da conspiração? Seria ela apenas uma ilusão da mente perturbada de nosso protagonista? Ou teria ainda algum outro interesse oculto?

Personagens nada convencionais.

Pense em algum mocinho, de qualquer história. Ótimo, agora esqueça-o. Sato é diferente. Ele é mal humorado. Ele é rude. Ele é mal educado. Ele é preguiçoso. Ele fuma pra caramba. Ele não quer ser ajudado. Em resumo, ele é um péssimo exemplo. Os outros personagens não fogem a regra.
Com o tempo, surgem pessoas como Yamazaki, o vizinho de Sato, responsável por ouvir a tal música irritante o dia inteiro (veja, não era ilusão...), completamente viciado em desenhos, que consegue convencer Sato a ajudá-lo na tarefa de criar... Um game pornográfico.

E Hitomi, amiga de escola de Sato. Ela é depressiva, e também viciada em drogas (uma coisa é consequência da outra). Sempre acreditou em teorias da conspiração, tendo sido uma influência para que Sato desenvolvesse sua fobia anos mais tarde.

As várias realidades.

Na tentativa de tirar Sato de sua situação de Hikikomori, Misaki, e mais tarde, Yamazaki, acabam levando-o a situações inusitadas, e também fazendo com que ele tenha algumas ideias não muito inteligentes.

Sato, entre outras coisas, tira fotos de meninas na porta da escola, fica viciado eu um jogo online (e até se apaixona!), tenta, sem sucesso, voltar a faculdade, e uma porção de outras coisas. Conhece, inclusive, pessoas que estão em situações piores do que ele.
Enquanto Hitomi, por outro lado, quase consegue convencê-lo a participar de um ritual de suicídio coletivo!

Todas essas situações desagradáveis, infelizmente, fazem parte do dia-a-dia do japonês. A quantidade de jovens que cometem suicídio no pais, por exemplo, chega a níveis alarmantes.

Humor, drama e romance, regados a muita irônia.

É assim que a série trata desses temas. Em alguns momentos ela te faz sorrir, em outros ela te comove e em outros a série irá realmente te chocar. Essa mistura é feita com maestria, não deixando que a obra fique cansativa ou tediosa com o passar dos episódios. Cada cena trás uma emoção nova.

Enfim, se você gosta de séries que fogem do tradicional, de personagens inusitados e de temas mais sérios, dê uma chance a esse aqui.

Dificilmente você irá se arrepender.

Site para download (legendado, a série nunca foi dublada para o português): http://www.animeshade.com/index.php?page=NHK


Confira também: Initial D e Karekano 

Um comentário:

  1. legal
    achei isso pelo yahoo
    vou começar a assistir
    parece q tem uma otima historia
    vlw!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails